quarta-feira, fevereiro 11, 2015

quarta-feira, dezembro 17, 2014

# Saudades #

Já passaram 7 anos e tu continuas aqui connosco.
Um beijinho de muitas  saudades tuas
05.12.1935 17.12.2007
#PP_SAUDADE_1 copy
#PP_SAUDADE_2 copy
#PP_SAUDADE_3 copy
#PP_SAUDADE_4 copy
#PP_SAUDADE_5 copy
#PP_SAUDADE_6 copy
#PP_SAUDADE_7 copy
#PP_SAUDADE_8 copy

“No coração dos céus, o espaço deixa de existir. As distâncias, como as dos corações separados, medem-se pelos rígidos compassos dos relógios. Mas não é o tempo que  passa, meu amor, somos nós que passamos pelo tempo. O tempo está parado e nós é que andamos à sua volta .À sua volta, porque o tempo não tem fim! O tempo é o espaço de tudo e de todas as coisas. O tempo é o coração dos céus: infinito e limitado. Quando conflui, o tempo é o perpétuo amor humano. A vida passa toda à  volta do amor. Só a vida passa . A vida passa por nós , à  volta do que sentimos. E sentir o que sentimos, sentir que sentimos, é muito difícil.”
Do livro: Todas as cartas de amor .
Carta 29
Meu Amor
Pag.65
Autor: Paulo José Miranda.
Ilustrações

Mariana, A Miserável

quinta-feira, agosto 14, 2014

# Depois de 4 anos #

Depois de 4 anos, voltei a S.Paio, Vila do Conde.
Memórias
001
002
003
004
005
006
007
008
009
010
011

 "É possível que o destino seja só uma invenção dos homens para sacudirem dos ombros alguma da responsabilidade pelos actos que praticam."
O Tempo Morto É Um Bom Lugar
Manuel Jorge  Marmelo

segunda-feira, julho 28, 2014

# Regresso à Casa das Artes #

É mais que o silêncio. Foi ausência, foi hiato, foi abismo, uma falha tectónica, onde caberia uma Jangada de Pedra, a ardência da terra. Uma fenda, uma ferida, um orifício anatómico. Pareceu um sigilo, um segredo, uma boca amordaçada, um soluço, uma memória longínqua, prometida, no nosso caderno de encargos. E, nessa ausência... … há fetos no ventre, filhos que vieram, homens que se foram, netos e bisnetos, borboletas e lagartas, folhas verdes-folhas-secas, musgo tenro e carnudo, tão fofo, efémeras que dançaram nos raios de sol até ser Inverno. Houve memórias que te ansiaram, desejo carnal; o toque, as mãos nas cicatrizes arbóreas. Houve tempestades, frio e abandono. #PP_REGRESSO_01 #PP_REGRESSO_02 #PP_REGRESSO_05 Cheira a madeira lambida, resina e acre olor. E sempre este teu aroma telúrico: preticor. Húmus, sub-bosque, flores em decomposição, desabrochadas, um milagre; regressos, retrocessos, recomeços. Da terra negra e húmida, do carmesim do ventre, houve este estranho gemido a solidão, ventania, rizomas, fragoso movimento. As pedras tiverem tempo de aprender a falar. Os troncos instruíram-se a enrijecer e enfrentar o relento que fustiga nas mais primitivas temperaturas. O céu viu-se rompido pelas frondosas folhas, rendilhado escuro e fresco, que lhe desenha janelas - olhos desde o chão ao ar- na monotonia do azul sem nuvens. Os galhos deixaram crescer os cabelos, as sombras a eternidade para se olharem no espelho pantanoso, âmbar-água. Enquanto isso, o vento, estugado e invejoso, roçava esta quietude a olho nu; porém, um festim ruidoso no reino dos seres silenciosos que falam, na cadência do crescimento de uma raiz. Há baús que guardam fotografias dos teus tempos felizes, burgueses, festivos, drama e comédia, amor e ódio; mas só a memória dos anciãos do jardim podem ensinar sobre a evolução desses regressos e retrocessos, do princípio e da Fénix renascida #PP_REGRESSO_06 #PP_REGRESSO_04 Quantas vidas, afinal, caberão em ti? As que já foste, as que serás, e as que és? #PP_REGRESSO_07 #PP_REGRESSO_08 É mais que o silêncio, é além de esquecimento; é esta inquietude que se sente quando tateamos as rugas dos teus troncos; as gelhas das tuas estevas, as carquilhas sábias que se sobressaltam no caminho do teu cale lenhoso. E se a ti regressamos, se a ti retrocedemos, depois desta ausência, é porque os homens padecem da mesma incapacidade de perceber, gerações desfiando gerações, de que aquilo que nos agarra à terra está naturalmente certo, naturalmente em harmonia. E, no fim deste repouso, no princípio deste recomeço, da origem e finitude, só retornamos se estivermos ausentes, para sempre nos devolvemos ao ventre da terra, a infinita matéria cíclica da Humanidade que somos. E isso, é sempre tudo que acontece no silêncio! #PP_REGRESSO_09 Texto de Vanessa Rodrigues

quinta-feira, julho 24, 2014

# O Tempo Morto É Um Bom Lugar #


Manuel Jorge Marmelo, apresenta hoje na Livraria Bertrand, dia 24 Julho 2014 pela 19h, no
Shopping Cidade Do Porto, com participação de  Valter Hugo Mãe.
Ensaio fotográfico para blog de Paulo Pimenta


00 04 05 06 pp pobres 12 070314 09 10 11 13 14
Excerto do novo romance

No estabelecimento prisional é que se está bem, livre de aborrecimentos e sem mais inquietações do que aquelas que, às vezes, irrompem de um pesadelo ruim. Sonho, entre outras coisas, que me libertam e que, mais um entre a crescente multidão de desgraçados, erro pela cidade abrindo caixotes do lixo à procura de alguma coisa que se coma; que durmo dentro de um caixote de cartão, abrigado da chuva na sacada de uma loja à espera de trespasse. Também sonho, de vez em quando, que se junta a mim um gato branco que é o exacto oposto daquela gata preta que em tempos me esperava na porta do prédio e que se fez minha amiga. Em vez de me acompanhar desinteressadamente, o gato branco persegue-me e morde-me a barriga das pernas, arranha-me com as unhas para que lhe dê as porcarias comestíveis que encontro nos contentores do lixo comum. É um bicho vil e maligno, oportunista, e nunca faz xixi ou cocó na porta dos bancos e das repartições públicas — caga e mija em cima de mim enquanto durmo. Acordo por isso muito ansioso e assustado, mesmo quando estou consciente de que se trata de um pesadelo e de que não existe nenhum gato tão branco e tão malévolo como o que tem surgido nos meus sonhos, e muito menos aqui na prisão, onde o único aborrecimento real é o modo que alguns detidos têm de olhar fixamente para mim, vigiando-me como se fossem fiscais das finanças e eu me tivesse esquecido de pedir a factura do café.