terça-feira, novembro 15, 2011

# Exposição Na Casa De #

Inauguração na Fnac do Gaia Shopping no dia 19 Novembro 2011 , ás 18.30
01
02
03
04
05
06
07
08
09
10
11
12

Exposição NA CASA DE

Que todas as portas se abram

Há pessoas assim. Capazes de se entregar, durante um ano, a um projecto que — sabem-no — lhes trará uma dor incomensurável ao corpo e à alma. Mas que sabem também que ignorar o que está para lá das fachadas de um casario aparentemente arrumado, virar a cara para o lado e fingir que nada se vê, significaria viver com uma dor infinitamente maior. Por isso, insistem. Empurram portas e saltam muros, abrem janelas e espreitam buracos nas pedras. E fazem com que todas as portas se abram, para que nenhum de nós possa dizer, eu não sabia de nada. Eu não vi. Ninguém me avisou.
Há pessoas como o Paulo Pimenta e o José António Pinto. Capazes de se comprometerem. Capazes de se entusiasmarem um ao outro na busca do que tem de ser mostrado e empenharem-se para, cada um com a sua arma — o primeiro com a máquina fotográfica, o segundo com a experiência do assistente social —, mudarem um bocadinho, por mais pequeno que seja, da miséria que testemunham. O Paulo recorda que uma amiga costuma dizer-lhe que sabe que não pode mudar o mundo, mas que todos devemos fazer o possível para mudar nem que seja uma vírgula. E ele vai atrás dessa vírgula. De muitas vírgulas.
E foi assim, por causa de pessoas como o Paulo e o José António, que durante um ano, Laurinda, Albino, Juliana ou Delfim abriram as portas das suas casas de tristeza, as casas pobres e húmidas que queriam trocar por outras, claras e seguras, mas que são ainda as suas casas. O seu tecto sobre a cabeça.
O resultado é um conjunto de imagens e histórias tocantes, que nos mostram tudo sem nunca chegarem a ser intrusivas. Apetece-nos chorar pela fragilidade que imaginamos por trás de uma camisa estendida a secar ou pelo corpo cansado estendido entre lençóis de uma cama demasiado desamparada, encostada a uma parede que se adivinha fria e escorregadia de chuva nos dias de Inverno. Queremos ter esperança, pelos pés de criança que despontam atrás de uma Hello Kitty de vestido de folhos. E quase pedimos para poder partilhar a fé de quem espalha santos e virgens por sítios improváveis.
As pessoas habituam-se a tudo. Habituam-se a chamar casa a barracas insalubres. Às gretas nas paredes. Às manchas negras da humidade. A dormirem no chão da cozinha para que os filhos tenham uma cama. Aos fios eléctricos descarnados que se cruzam com a mesa do jantar. À solidão sem palavras. Às vezes, é isso que mais dói. Quando um velho de 80 anos se habituou ao que não devia. A chamar casa ao que não devia ser uma casa. E fica uma raiva imensa, quando chegados aí, quem podia roubar-lhes esse hábito triste e dar-lhes uns dias melhores, não chega a tempo.
Felizmente, há pessoas como o Paulo e o José António. E exposições como esta, de onde ninguém sai incólume. E ainda bem que assim é.

Patrícia Carvalho
ver o resto
http://static.publico.pt/docs/local/pobrezaporto/

9 comentários:

Elvira Rodrigues disse...

VER PARA ALÉM DA DOR

As fotografias evidenciam a realidade, este extraordinário texto deixa antevê-la na dedicação e empenho de todos os envolvidos neste "Pequeno/Grande Projeto".
Elvira Rodrigues

cristininha disse...

é isso mesmo indignemo-nos
Mostrar uma realidade por muito crua é um acto de amor, carinho que aconchega os mais desamparados...

analima disse...

Por motivos de trabalho também eu já estive muitas vezes "na casa de". Por isso estas imagens dizem-me muito. Revelar o que está para lá das fachadas é um papel a que quem lida com a realidade não se deverá furtar. Parabéns por não o fazer!

mar.peçasoltas disse...

as fotografias revelam uma realidade dolorosa, mas real! É urgente agir junto dos que mais precisam. Excelente projecto!

Jorge Lima disse...

Um trabalho exemplar que nos mostra as condições precárias que continuam a existir neste país.
Mudaste mais uma virgula...parabéns.

Jorge Lima

BrandNewStudio disse...

Impressionante. Um retrato infelizmente real.

António Correia disse...

Muito bom trabalho :)

maria disse...

quero congratular o colega e a reporter pelo belíssimo trabalho, embora retrate uma realidade não tão bela...parabéns!

Matilde disse...

podia estar aqui a falar, falar, mas tudo se resumiria a algo como "isto é lindo, exemplar, humano e, acima de tudo, inspirador"